Técnico-administrativos se reunem assembleia para deliberar sobre a deflagração da greve a partir de 10/11. | SINTUFEJUF

Técnico-administrativos se reunem assembleia para deliberar sobre a deflagração da greve a partir de 10/11.

 Técnico-administrativos se reunem em assembleia para deflagração da greve a partir de 10 de novembro

 

Os Técnico-administrativos, campus de Juiz de Fora, estarão reunidos em assembleia no dia 07 de novembro às 8h no Auditório da Faculdade de Comunicação Social da UFJF para deflagração da greve a partir do dia 10 de novembro e escolha de suplentes da Comissão Própria de Avaliação. Já no Campus de Governador Valadares, a assembleia será realizada no dia 06 de novembro às 13h30 também para para debater e deliberar sobre a deflagração da greve, seguindo orientações aprovadas na Plenária Nacional da Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Técnico-administrativos das Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (FASUBRA).

 Realizada nos dias 20, 21 e 22/10 no Rio de Janeiro, devido aos iminentes ataques deste Governo, a Plenária deliberou pela deflagração da greve a partir de 10 de novembro. Nesta data muitas entidades sindicais por todo país estarão manifestando sua insatisfação com esta política que se enraiza em todo segmento de trabalhadores pelo Brasil. A proposta é realizar um dia de muita mobilização em Defesa de Nossos Direitos, com greves, paralisações e manifestações diante deste retrocesso que se encontra nossas instituições públicas. 

Este Governo, ilegítimo, arbitrário vem intensificando ataques às Universidades e aos servidores públicos federais, para garantir os lucros às classes mais privilegiadas, como banqueiros, empreiteiras e os empresários do agronegócio.

 

Vale ressaltar que tramita no Congresso Nacional medidas que tiram direitos dos trabalhadores há muito conquistados com luta, como o Programa de Demissão Voluntária (PDV), a redução da jornada, com redução de salários e o PL 116/2017, da demissão por avaliação negativa, impondo aos trabalhadores (as) o fim da estabilidade, consequentemente, assédios morais, que fragiliza a relação do trabalhador em seu local de trabalho.
O governo planeja avançar no pacote de maldades aos servidores, por meio de projetos de lei ou medidas provisórias, imediatamente após a iminente votação da segunda denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra Temer, no Congresso Nacional.
Os ataques estão expostos. Exemplo disso acontece na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), trabalhadores com salários atrasados, décimo terceiro parcelado a perder de vista, sem recursos para gerir a Instituição, o total sucateamento da educação. Esta política perversa, fruto de ideologias de gestores públicos sem compromisso com a educação pública e de qualidade. O governo Temer após se safar da justiça pelas mãos deste Congresso, busca mais uma vez jogar a conta nas costas dos trabalhadores com o aumento da contribuição previdenciária de 11% para 14% e a reestruturação das carreiras do serviço público, aniquilando nossas históricas conquistas de muitas greves.

 

Eixos da Greve

 

•Defesa da Carreira dos TAES!
•Negociação Salarial Já! Nenhum direito a menos!
•Contra o aumento da contribuição previdenciária! Não à Reforma da Previdência!
•Revogação do PDV!
•Em defesa do ensino superior público, gratuito e de qualidade!
•Em defesa dos serviços públicos!
•Contra o PL 116/17 – demissão por avaliação negativa (fim da estabilidade)
•Em defesa dos hospitais universitários.  

 

Campanhas gerais

 

•Participar da campanha pela revogação da reforma trabalhista
•Campanha contra a retirada do título de patrono da educação de Paulo Freire.
•Contra a reforma da previdência

 

Campanhas de esclarecimento específicas

 

•Desmonte da carreira
•Fim da estabilidade – demissão por avaliação negativa
•PDV
•Implicações da reforma trabalhista – terceirização nas universidades.
•Em defesa da jornada de 30 horas (jornada contínua com turnos ininterruptos)
•FORA TEMER