Técnico-administrativos em Educação paralisam as atividades e realizam ato no campus | SINTUFEJUF

Técnico-administrativos em Educação paralisam as atividades e realizam ato no campus

Em dia Nacional em Defesa dos Serviços Públicos, os trabalhadores técnico-administrativos (TAEs) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) paralisaram as atividades hoje, 27 de outubro, contra os ataques do governo Temer. A paralisação aconteceu em Juiz de Fora e também no campus avançado de Governador Valadares.

Em Juiz de Fora, a mobilização teve início às 6h da manhã. Em ato unificado com a Associação dos Professores do Ensino Superior (APES) e Diretório Nacional dos e das Estudantes (DCE), foi realizada uma atividade cultural em frente ao portão principal da reitoria, além da distribuição de panfletos. Na próxima semana, os TAEs irão percorrer as unidades para dialogar com a comunidade acadêmica e convidar a todas e todos para particparem das manifestações rumo à greve geral, que poderá ser deflagrada a partir de 10 de novembro. Na segunda semana de novembro, serão realizadas assembleias em Governador Valadares e Juiz de Fora, respectivamente, com a pauta de deflagração.

O coordenador geral do Sintufejuf, Flávio Sereno destaca que a paralisação de hoje é uma atividade nacional em defesa do serviço público. Várias categorias estão fazendo essa paralisação em 27 de outubro, contra os ataques do governo Temer como o PDV, pela revogação da Reforma Trabalhista, revogação da Lei de Terceirização, em defesa dos hospitais universitários, além de resistir ao pacote de medidas que visa desestruturar as carreiras do serviço público, como o projeto que acaba com a estabilidade (PL116/2017), a elevação da líquota de contribuição previdenciária de 11% pra 14%, e a proposta de criação de uma carreira única (Carreirão).

O presidente da Apes, Rubens Luiz Rodrigues, fala sobre a importância da união dos três segmentos na luta em defesa do serviço público federal. “Professores, técnico-administrativos e estudantes lutam diariamente pela garantia do direito a educação pública, laica, gratuita, socialmente referenciada. Hoje é um dia para mostrar à comunidade acadêmica das universidades e das instituições de ensino superior tecnológico que nós lembramos a data com muita dignidade, neste momento de significativos ataques, de destruição de desmonte da educação pública”. Segundo Rubens, para o dia 10, os professores também já estão se articulando na mobilização da categoria. “O objetivo é organizar um grande ato na cidade junto ao Fórum Sindical e Popular de Juiz de Fora para protestar contra as medidas do governo”, afirma.

O ponto negativo da paralisação foi o desrespeito do pro reitor de assuntos estudantis, Marcos Freitas, com a paralisação dos TAEs e com uma decisão do sindicato, que deliberou pelo fechamento dos restaurantes universitários (RUs). De forma unilateral, o pro reitor determinou a abertura do RU no dia da paralisação, mesmo após decisão do sindicato de não abri-lo nesta data. Decisão esta que havia sido comunicada à administração com dois dias de antecedência. "Atitudes arbitrárias como essa não contribuem com a defesa dos serviços públicos, objetivo da paralisação nacional”, avalia o coordenador Flávio Sereno.

De acordo com a coordenadora do DCE, Mylena Melo, os estudantes entendem que situação da universidade pública hoje é crítica, e por isso, não adianta reivindicar objetivos que sejam diferentes da classe trabalhadora, sem realizar uma luta unificada. “Hoje a gente compõe o dia Nacional de luta dos trabalhadores junto com o Sintufejuf e com a Apes. Com a aprovação no ano passado da PEC 55, que congela os recursos para saúde e educação por 20 anos, nosso futuro está muito incerto. Não sabemos como serão os investimentos nas universidades públicas. Sem dúvida, a qualidade dos serviços públicos será ainda mais afetada por diversas questões que estão em pauta no congresso, como a Reforma da Previdência, o programa de Demissão Voluntária e a possibilidade de fim da estabilidade do servidor público. Desta forma, nós do DCE da UFJF convidamos a todas e todos estudantes e trabalhadores da universidade para fortalecer a luta na construção de uma greve geral no dia 10. Vamos parar o setor produtivo do país e mostrar para o governo que não aceitaremos calados esse tipo de situação”.

A deflagração da greve no dia 10 de novembro foi aprovada pela Plenária Nacional da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-administrativos das Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil (Fasubra), realizada nos dias 21 e 22 de outubro no Rio de Janeiro. Em Governador Valadares, a assembleia para votar a deflagração será realizada no dia 06 de novembro às 13h30, no colégio Pitágora e em Juiz de Fora será no dia 07 de novembro às 8h no Auditório da Faculdade de Comunicação Social da UFJF. Panfleto distribuido no campus.