Informes de Greve dos TAEs | SINTUFEJUF

Informes de Greve dos TAEs

Assembleia Geral de 02/04/2014

 Dando continuidade à greve deflagrada em 13 de fevereiros, os técnico-administrativos se reuniram em assembleia no dia 02/04, às 9h no restaurante Universitário, com a pauta “Informes locais, informes nacionais e assuntos gerais”. A mesa foi coordenada pelos Diretores Gerais: Lucas Simeão e Paulo Dimas de Castro. Na composição da mesa também fizeram parte, Rogério Silva e Felipe (que representaram o Comando de Greve em Brasília), José Pedro e Flávio Sereno. A assembleia inicia com um minuto de silêncio em homenagem aos companheiros que faleceram em março (Marlene Júlio, Marcus Marcato e Rogerinho). Rogério abre os informes relembrando as posições contraditórias que havia na Fasubra no primeiro dia de greve, em que parte da federação entendia que havia avanços por parte do governo e outra parte entendia que a greve ainda era necessária, prevalecendo esta última posição. Segundo relato do Rogério, a federação entendia que deveria haver unidade e consenso dentro da mesma para fortalecer o movimento. De acordo com Rogério, a Andifes se posicionou diante da pauta de reivindicações da categoria, no entanto afirmou que não negocia a Ebserh pois já é assunto vencido e não deve entrar na discussão. Felipe relatou sobre a participação no “Dia Nacional de Luta” e na Comissão de Comunicação.

O servidor e membro do CLG, Márcio Sá Fortes relatou sobre a visita ao Campus de Governador Valadares junto com a coordenadora do Sintufejuf e também representante do CLG, Rosangela Frizzeiro. Em sua fala, Márcio, descreveu o movimento forte e positivo do Campus. No entando relatou alguns problemas, como a não aceitação por parte de docentes em relação à recusa do Comando em liberar empréstimo de equipamentos. Segundo Márcio, uma professora teria aproveitado um momento de assembléia para pegar emprestado sem autorização um data-show. A categoria decidiu por uma nota de repúdio ao ato desta professora. Márcio também expôs sua preocupação em relação aos livros da biblioteca, que sem funcionários estariam desprotegidos. Rosangela Frizzeiro propôs que os mesmos fossem embalados em caixas e lacrados até o final do movimento.

O servidor do HU Ivan, expôs a atual situação dos Hospitais Universitários. Segundo ele, estão havendo poucas internações, sendo todas comunicadas e justificadas. A também servidora do HU, Jane Melandre relatou a falsa denúncia de que o Comando de Greve estaria fazendo piquete e impedindo os terceirizados de trabalharem na unidade CAS, o que não é verdade. Ela relatou ainda que não está mais havendo marcação de consultas no CAS e somente os exames que já estavam agendados estão sendo realizados.

Lucas Simeão relatou sobre a comissão eleitoral para reitor e vice, defendendo a proposta de que não se deve fazer nenhum processo eleitoral enquanto os servidores estiverem em greve. Lucas ressaltou a possibilidade de fazermos uma greve forte junto com todos os servidores federais. Lembrou também que está marcada uma paralisação dos docentes da UFJF no dia 10 de abril. De acordo com Lucas, também está em discussão no comando a necessidade da participação dos aposentados no processo eleitoral. Ao final da fala de Lucas, a não realização do processo eleitoral até o final da greve, bem como a participação dos aposentados, foram levados em votação e aprovados pela categoria.

Paulo Dimas lembrou que estamos no 17º dia de greve e que mais 15 faixas foram colocadas em vários setores, como HU, Farmácia, Educação Física, Protocolo, entre outros. A cada dia o comando conversa e conscientiza os funcionários para aderirem à greve. Relatou também que no dia 31 de março recebemos um memorando orientando o registro em folha de ponto, objetivando a suspensão do pagamento. Este memorando foi encaminhado ao jurídico da fasubra e do sintufejuf. Paulo Dimas afirmou que não é motivo de preocupação, pois isso ocorre em todas as greves, e o momento é da categoria se fortalecer mais ainda. Endossando a fala de Paulo Dimas, Flávio sereno afirma que não há relato de nenhum reitor que tenha aceitado corte de ponto.

A servidora e aluna do curso de ciências contábeis Irineia, solicitou a abertura de um dos laboratórios de informática para aulas do curso, no entanto, em votação, por unanimidade, a categoria negou seu pedido, entendendo que abrir laboratório é enfraquecer o movimento.

Ao final da assembléia, os servidores referendaram o apoio ao campus de Governador Valadares, bem como a nota de repúdio à atitude da professora, convidaram para participação no “Ato contra o aumento da passagem de ônibus”, que acontece hoje, e decidiram pelo fechamento do MAM e editora da UFJF.

A próxima assembléia ficou marcada para terça-feira, 08/04, às 9h, no RU/Centro.