Informe de base da assembleia do dia 12/02/2015 | SINTUFEJUF

Informe de base da assembleia do dia 12/02/2015

Informe de base – SINTUFEJUF

 

Assembleia Geral de 12/02/2015

Auditório da Faculdade de Comunicação

  

Os técnico-administrativos reunidos em assembleia dia 03/02, às 9h no Anfiteatro da Faculdade de Comunicação, discutiram sobre a seguinte pauta: relato da Plenária da Fasubra, realizada entre os dias 05 e 07 de dezembro de 2014; Ato das Universidade Federais contra a EBSERH, Dia Nacional de `Paralisação em Defesa da Educação, Escolha de delegados para a Plenária da Fasubra (07 e 08/03/2015 – Rio de Janeiro), ato contra a EBSERH no Rio de Janeiro (06/03); Dia Nacional de Paralisação das Universidades (03/03). Compuseram a mesa os coordenadores gerais Lucas Simeão e Paulo Dimas de Castro.

Paulo Dimas de Castro abre a assembleia, com os informes de direção comunicando sobre o convênio com o Pargos Clube, convidando a categoria para participar do curso de comunicação sindical, com o palestrante Vitto Gianotti, a ser realizado no dia 26 de fevereiro. Comunicou também sobre o Seminário de Integração que ocorrerá em Pelotas, em outubro, entre outros informes.   A mesa sugeriu a provação de uma Moção de Apoio aos Trabalhadores Terceirizados que estão com seus salários atrasados.

Em seguida, a assembléia fez um minuto de silêncio em homenagem aos companheiros falecidos nos últimos dias, inclusive nas oração o tio/pai da Coordenadora Rosangela Frizzero.

O coordenador Rogério Silva iniciou os relatos. Segundo ele, o início da Plenária foi bom, sinalizando que o objetivo era discutir política para a categoria. No entanto, alguns atos que estavam programados foram abortados, como por exemplo: Caravana que seria realizada dia 02/02, em Brasília, para lançamento da Campanha Salarial. Entre os destaques discutidos na Plenária foi os debates sobre racismo institucional e assédio moral, também a discussão sobre a política do governo Dilma e o plano de lutas da categoria. Rogério critica a postura da Federação que não cumpre o que é deliberado em Plenária. Um dos pontos de grande discussão foi a forma do voto, se seria secreto ou aberto para a Eleição dos Delegados para o Confasubra/2015, ficando aprovado que o voto será aberto e constará no Regimento Interno do Confasubra. O coordenador relembra que em maio está programado para ser realizado o Confasubra, que por duas vezes foi prorrogado o mandato da Direção da Fasubra. Portanto, Rogério aponta a necessidade da realização do congresso sem adiamento, mesmo que haja greve. Foi lembrado também nesta Plenária foi Eleito o novo Conselho Fiscal da Federação, e tendo em nossa base uma representante na suplência (Rosangela Frizzero).

Rosângela Frizzero fez um relato sobre a participação no ato contra a EBSERH realizadoem Goiás. A coordenadora conta que, infelizmente, quando a delegação chegou na Universidade de Goiás, o Conselho Superior já havia aprovado a EBSERH, sem contagem de votos. Com muita pressão, conseguiram acordo político para que fosse colocada em votação novamente, porém, a notícia que tiveram posteriormente foi da adesão à empresa.

Heronides Meirelles também criticou a postura da Federação de não cumprir os atos deliberados em Plenária, e afirmou ser necessário exigir que tudo que for aprovado, deve ser publicado na íntegra. Ele disse que foi apresentado uma Moção na Plenária e mesma não apareceu no Relatório Final. O companheiro assinala a necessidade de construir atos e pensar em novas conquistas.

Maria Ângela Costa falou sobre a aprovação do plano de lutas, terceirização, precarização das universidades, assédio moral, aprovação do dia Nacional de Paralisação das Universidades. Sinalizou a necessidade de lutar por concurso público e cobrar reposicionamento de aposentados. Apontou a necessidade de retirada de ponto eletrônico nos hospitais universitário, realizar um debate crítico sobre Funpresp.        

Em seguida, os servidores tecnico-administrativos em educação elegeram os delegados que representarão a categoria na Plenária Nacional da Fasubra, dias 07 e 08 de março, no Rio de Janeiro.

            Pela direção do Sintufejuf, foi indicada a coordenadora Janemar Melandre referendada em votação pela assembleia. Como suplente, a direção indicou o Coordenador Geral Paulo Dimas de Castro. A escolha dos demais delegados foi feita por meio de votação presencial em as chapas inscritas. Concorreram a Chapa 1, dos grupos “Tribo” e ‘‘Ressignificar’’, e a Chapa 2, do grupo “Vamos à Luta e Independentes”. A Chapa 1 obteve 35 votos e a Chapa 2 obteve 22 votos. Logo, o grupo da “Tribo” e ‘‘Ressignificar’’ terá direito a dois representantes na delegação e o coletivo “Vamos à Luta” a um delegado. Na proporcionalidade o Grupo “tribo e REssignifficar” terá 2 (dois) delegados, enquanto o Coletivo “Vamos a Luta e Independentes”, levam 1 (hum) delegado.

            Em seguida, a assembléia votou os encaminhamentos. Com a maioria absoluta dos votos, ficou decida a adesão à Paralisação Nacional das Universidades, com manifestação na reitoria e convite aos terceirizados para um movimento unificado. Em relação à participação no ato no Rio de Janeiro, a mesa sugeriu e a categoria aprovou, a disponibilização de um ônibus fretado para a Delegação do Sintufejuf no ato. Os interessados em fazer parte da caravana já puderam começar a inscrições durante a assembleia.

            Foi aprovada também uma moção de apoio e solidariedade aos colegas terceirizados que estão com salários atrasados, além de iniciar uma campanha de doação de cesta básica aos mesmos.

            A assembleia é encerrada pela mesa.

 

 

Diretoria Executiva do Sintufejuf